Contando histórias, melhorando o mundo.

01 abril, 2008

REDAÇÃO

OUTRA QUESTÃO DA FEDERAL

Numa postagem anterior, falamos sobre as mudanças ocorridas no vestibular da UFMG e suas conseqüências na prova de redação. Apesar de não haver mais a preocupação com a produção de textos curtos, vale a pena analisar uma questão que apareceu na prova de Língua Portuguesa e Literatura, da segunda etapa, específica para candidatos que prestam vestibular para Letras e Teatro. Afinal, sem parágrafos bem estruturados, não há texto coerente. A questão é a seguinte:

Analise este slogan de uma empresa gráfica:

O NOSSO PRODUTO É UMA BOA IMPRESSÃO

EXPLIQUE de que modo se explora, nesse slogan, a polissemia.

Os candidatos deveriam atender à solicitação num pequeno parágrafo de, no máximo, cinco linhas.

Qual a primeira dificuldade que se coloca para o candidato? Caro: saber o significado de polissemia. A questão não pede que o candidato defina polissemia, mas pode ser útil saber esse conceito para resolver a questão. Polissemia é a multiplicidade de sentidos de uma palavra ou expressão. Ou seja: a questão trabalha pura e simplesmente a duplicidade de sentido explorado no slogan. Sabendo do que trata a questão, fica fácil; caso contrário, o candidato encontraria dificuldades para produzir uma boa resposta.

Mas é possível entender o que se pede sem necessariamente entender o que é ou saber conceituar polissemia: lembrar que uma empresa gráfica trabalha com a impressão em papel e ser capaz de interpretar o sentido figurado da expressão “causar boa impressão” é o suficiente para fazer um texto adequado à solicitação.

A segunda dificuldade é conseguir fazer o que se pede, ou seja, atender à solicitação feita: explicar os dois sentidos que “boa impressão” tem no slogan sem, no entanto, recorrer à palavra “impressão”. A maioria dos alunos aos quais apresentei a questão tentou explicar o duplo sentido dizendo coisas como “um sentido é a impressão gráfica e o outro é a boa impressão que se tem da empresa”. Isso não está errado, mas o que se diz é apenas o óbvio. Ou seja: é uma explicação que não explica; é redundante dizer que “impressão” significa ora “impressão gráfica”, ora “boa impressão” sobre algo. Para explicar com clareza será preciso buscar novas expressões, dizer com outras palavras e tornar clara a ambigüidade explorada no slogan.

Vale chamar a atenção para um detalhe: muitos alunos pensam que a ambigüidade é sempre algo prejudicial ao texto e que, portanto, deve ser evitado a todo custo. Assim, tenderiam a responder que o slogan “está errado” ou “o que atrapalha a informação do slogan é a ambigüidade”. Nada disso: a ambigüidade nesse slogan é intencional. Nem sempre ser ambíguo é cometer erro. Muitas vezes ela é um importante recurso de linguagem, usado intencionalmente para conseguir determinado efeito, caso do slogan apresentado.

Por fim, pode ser que surja, para alguns, uma terceira dificuldade: fazer uma boa explicação em apenas cinco linhas. Por isso, é preciso ser bastante objetivo, ir direto ao assunto sem “enfeitar” demais. A prolixidade (escrever demais, querer exibir conhecimento extrapolando a solicitação da questão) não é um bom hábito. Assim, nada de colocar na resposta os conceitos de polissemia ou ambigüidade para mostrar à banca corretora que conhece o assunto. Escreva apenas o que foi pedido, de maneira sucinta e clara. Por outro lado, embora pareça incrível, alguns acham essas cinco linhas um espaço grande demais, um enorme a vazio a ser preenchido... com que mesmo?

Apesar de ser apenas um parágrafo, é preciso ficar atento para alguns detalhes. Procure dividir o parágrafo em períodos: uma frase introdutória que esclareça como a polissemia aparece no slogan é uma boa estratégia. Por exemplo: “A polissemia é explorada com o uso da expressão ‘boa impressão’, que possui, pelo menos, dois sentidos” ou algo parecido. No período seguinte, vem a explicação propriamente dita: “Um dos sentidos diz respeito ao ramo de atuação da empresa, que é a produção de impressos gráficos de boa qualidade; o outro, é o impacto positivo que os produtos causarão nos clientes”. Não é impossível responder tudo num só período, mas vale lembrar: num período longo, as chances de cometer erros tornam-se maiores e a clareza pode ficar prejudicada.

Uma sugestão de resposta ficaria assim:

A polissemia é explorada com o uso da expressão ‘boa impressão’, que possui, pelo menos, dois sentidos. Um deles diz respeito ao ramo de atuação da empresa: a produção de impressos gráficos (de boa qualidade, diz o slogan); o outro se refere ao impacto positivo que seus produtos causam nos clientes.

Como se vê, não é nenhum bicho-de-sete-cabeças. Basta fazer uma boa interpretação da proposta e usar recursos simples que um estudante aplicado às tarefas de redação domina com segurança: organização (escrever períodos claros e bem estruturados), domínio vocabular (ser capaz de substituir um termo por outros), coesão (uso de recursos que ‘amarrem’ as idéias), coerência (escrever coisas pertinentes à proposta e que façam sentido), correção gramatical, objetividade (ir direto ao assunto respondendo ao que se pede).

Até a próxima.

2 comentários:

otávio disse...

seu blog está muito bom, espero que esteja pegando alguma dica do meus filmes favoritos.abraços,otávio paiva

Fenridal disse...

SECURITY CENTER: See Please Here